-
Postado em 19 de Agosto às 19h20

BRDE prorroga empréstimos e oferta capital de giro emergencial

Mercado (134)

A suspensão de recebimentos por seis meses, totalizando R$278 milhões é uma das medidas adotadas pelo Banco Regional de Desenvolvimento Econômico e Social (BRDE) no enfrentamento aos efeitos da pandemia. 

Os prejuízos causados pelos efeitos da pandemia, como a queda expressiva de faturamento de muitos empreendimentos, levaram a instituição a adotar duas medidas para ajudar o cliente neste momento crítico. A primeira ação implementada foi a suspensão temporária, pelo prazo de até seis meses, das amortizações de empréstimos contratados com recursos próprios do BRDE e também com os fundings que o permitiram. Essa medida beneficiou cerca de 2.380 contratos, em um volume de R$ 278 milhões em pagamentos suspensos temporariamente.

A segunda foi a destinação de R$ 300 milhões em recursos próprios para o financiamento de capital de giro emergencial, destinados para microcrédito (MEI) e micro e pequenas empresas, com prazos mais longos, e juros abaixo dos praticados correntemente. O valor foi dividido e distribuído de maneira igualitária entre os estados da Região Sul. O programa chamado Recupera Sul foi modelado de forma a atender as peculiaridades de cada Estado.

“No caso de Santa Catarina, prioriza empréstimos entre R$ 20 mil e R$ 200 mil. Mais de 80% das operações já aprovadas – ou em processo de liberação – foram viabilizadas com suporte do Fundo de Aval, que agiliza o processo e dispensa os clientes de apresentar garantias reais”, complementa o Diretor Presidente do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra. Segundo ele, o programa foi executado com apoio de instituições parceiras como Sebrae e cooperativas de crédito, que auxiliaram na distribuição de recursos a um maior número de empresas, nas mais diversas regiões do Estado. E saiu do papel “graças à solidez do banco, que conseguiu disponibilizar recursos próprios para apoiar os empreendedores neste momento delicado”.

Apoio ao Agro

O suporte ao agronegócio faz parte da história do BRDE. Ao longo dos seus 59 anos de atuação, o Banco vem contribuindo para alavancar negócios tanto de pessoas físicas, no caso de produtores rurais, quanto de pessoas jurídicas. Os empreendimentos apoiados são os mais diversos, partindo desde a produção em nível de propriedade rural, seu beneficiamento primário, armazenagem, transporte, até a industrialização e comercialização junto aos consumidores.

"Em cada uma destas etapas, sempre sugerimos os mais adequados produtos financeiros disponíveis, compatibilizando a atividade econômica a ser praticada com as condições financeiras das linhas de crédito a empregar", explica o gerente regional da Mesorregião Oeste Catarinense, Paulo César Antoniollo.

Além da atuação direta no apoio ao agronegócio, o BRDE vem obtendo grande destaque também no estímulo ao desenvolvimento de novas tecnologias ligadas ao setor, através do financiamento às empresas que produzem as soluções que serão empregadas pelos agricultores e agroindústrias. "Novos equipamentos para automação de ordenha e manejo de vacas leiteiras, novos métodos de tratamento de efluentes, automação de processos industriais em frigoríficos, eficiência energética, bem como softwares para gestão de propriedades rurais e suas cooperativas, são alguns exemplos de projetos inovadores que o BRDE tem incentivado", enumera Antoniollo.

O BRDE é um banco público que opera com recursos reembolsáveis, isto é, financiamentos e atende pessoas física jurídicas e municípios. Projetos de investimento, Máquinas e Implementos, Inovação, Energia Renovável e Infraestrutura, Turismo, Agronegócio são áreas contempladas pelo BRDE. Para ter acesso aos serviços disponibilizados, é preciso pela análise e aprovação de crédito que permitam segurança para o retorno do capital financiado, possibilitando com que os recursos recebidos possam financiar ainda mais empreendimentos. Mais informações sobre as linhas de financiamento estão no site https://www.brde.com.br/

Veja também

Players discutem cenários e medidas para reaquecimento pós-corona01/04 A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que cerca de 400 mil caminhões estão parados no país neste período de isolamento social imposto pela contenção ao avanço do novo coronavírus. A queda nas operações de frete rodoviário, sobretudo entre profissionais autônomos, se dá, paralelamente, à......
Custos de produção de suínos e de frangos de corte sobem mais de 6% em agosto15/10Custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte calculados tiveram elevação em agosto. Os custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa (embrapa.br/suínos-e-aves/cias), tiveram uma forte elevação em......

Voltar para EDITORIAS