-
Postado em 26 de Junho às 15h12

Clima seco e mercado em alta favorecem cenário para o trigo no Paraná

Grãos (59)

Depois de amargar uma safra frustrada por problemas climáticos no ano passado, o trigo que vem sendo plantado agora no Paraná conta com boas perspectivas, tanto de preço, quanto de clima. A estiagem que atrasou o plantio da safra de soja 2019/20 deixou uma janela bastante apertada para o milho safrinha. Com isso, o cereal do pão ganhou força como opção nesta safra de inverno.

De acordo com dados do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab), a área destinada ao trigo este ano é de 1,09 milhão de hectares, aumento de 6% em relação à área da safra anterior.

O produtor Sérgio Veit, de Guarapuava, optou por dobrar a área destinada ao cereal este ano, passando de 250 para 500 hectares. “Historicamente a gente sempre plantou trigo e sempre teve problema de preço. Esse ano parece que a coisa está um pouco diferente, pela questão do dólar e da falta do produto. A gente está sempre esperançoso, de que o clima vai ajudar também, mas tem que ter um pouco de sorte. Às vezes, uma semana a mais já pega uma geada”, avalia.

Nas últimas semanas de maio, o clima ajudou com chuvas na medida certa para o plantio. De acordo com o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Hugo Godinho, além do aumento na área cultivada, a produtividade das lavouras também deve ser melhor nesta safra.

“A expectativa é que sejam colhidas 3,5 milhões de toneladas do cereal, resultado 65% maior que o registrado na sa fra passada”, afirma. Nesse caso, o mérito é de São Pedro, que neste ano deu uma trégua aos triticultores, colocando o clima a favor da produção.

Preço

Além das boas perspectivas de produção, os triticultores paranaenses observam uma grande valorização do trigo, que atingiu patamares recordes de preço no primeiro semestre de 2020. Segundo a técnica Ana Paula Kowalski, do Departamento Técnico Econômico (DTE) do Sistema FAEP/SENAR-PR, dois fatores contribuíram para esta condição. “Além do dólar valorizado, tivemos a quebra da safra passada que deixou os estoques muito baixos”, avalia. No dia 5 de junho, a saca estava cotada em R$ 62, um recorde histórico.

Vale lembrar que o Brasil é importador de trigo. Se por um lado o real desvalorizado favorece os produtores do cereal, por outro, deve impactar os outros segmentos desta cadeia, como os moinhos, por exemplo, de forma negativa. “O Brasil importa muito trigo em dezembro e janeiro, então a alta dos preços ainda não teve impactos tão grandes”, avalia Ana Paula. Além disso, também existem reflexos da pandemia do coronavírus no setor. “O trigo é estratégico para segurança alimentar, então alguns países estão buscando muito trigo. O mundo está demandando, isso também tem impacto nos preços”, acrescenta.

Clima será aliado nesta temporada

O meteorologista Luiz Renato Lazinski comenta que a situação este ano é de “neutralidade climática”, isto é, sem influência dos fenômenos climáticos El Niño ou La Niña. “Daqui até o final do ano não deve mudar muito. As chuvas devem continuar muito irregulares e abaixo do normal”, explica.

A estiagem que vem preocupando os produtores este ano, segundo o meteorologista, começou ainda em 2019. “Tivemos apenas dois meses em que choveu na média. O restante ficou abaixo. Esse ano não está sendo diferente”, afirma. Esse tipo de condição, com clima mais seco, favorece a cultura do trigo, que não gosta de umidade excessiva. “O trigo precisa de chuva na hora do plantio, e essa chuva veio”, lembra Lazinski.

Segundo o meteorologista, este ano o frio também chegou mais cedo ao Estado. “Em 16 de abril, a mínima em General Carneiro foi 1,6º grau negativo. O problema é se o frio for embora tarde, aí teremos risco em algumas áreas mais altas na região Centro-Sul de geada em setembro. Isso não seria bom para o trigo”, avalia.

Também o agrometeorologista Celso Oliveira, da Somar Meteorologia, prevê uma temporada favorável para o trigo no que depender do clima. “Tem chovido menos no Paraná. Para as culturas de inverno, essa condição climática tem ajudado e vai continuar ajudando. Com as águas do Oceano Pacífico mais frias, a chuva não deve vir em excesso durante o desenvolvimento da cultura”, observa. “O único problema é o frio. Como o Paraná planta mais cedo, algumas áreas podem ser acometidas por baixas temperaturas na época de enchimento dos grãos. Quem está instalando mais tarde [a lavoura], provavelmente vai passar sem grandes problemas”, avalia Oliveira.

 

Com informações Assessoria de Imprensa CNA 

Veja também

Soja: chuvas que impulsionaram produção também trazem preocupação com patógenos22/01 O período de chuvas, iniciado em novembro e que se estende ao longo do verão brasileiro, permitiu expectativas positivas para o ciclo 2019/2020 da soja. Segundo previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção da oleaginosa no país deve ultrapassar os 120 milhões, tornando o Brasil o maior produtor mundial do cultivo. Ao mesmo tempo, o excesso......
Paraná vai colher mais de 41 milhões de toneladas de grãos04/08 No Paraná, a safra de grãos 2019/20 se encaminha para o final com a colheita da segunda safra e dos cereais de inverno. A expectativa de produção aponta para um volume total de 41,01 milhões de toneladas de grãos que......

Voltar para EDITORIAS