-
Postado em 18 de Agosto de 2021 às 12h03

Empresa catarinense inicia exportação de fertilizante mineral à base de sulfato de cálcio

+ Agro (160)

Aprovada nas lavouras brasileiras, tecnologia despertou interesse de produtores do Paraguai, país onde a produção de soja aumentou mais de 40% em uma década.

 

A única reserva de Sulfato de Cálcio do Sul do Brasil está localizada em Imbituba, no litoral de Santa Catarina. Co-produto da classe dos fertilizantes fosfatados, é amplamente utilizado como fornecedor de cálcio e enxofre para a adubação e atua como condicionador de solo.

O depósito pertencia à Petrobrás Gás S.A (Gaspetro) até o ano 2000, quando foi adquirido pela SulGesso / MaxiSolo, empresa do município de Imbituba que passou a pesquisar todas as potencialidades daquela matéria-prima. Até que, em 2012, revolucionou o mercado de insumos ao lançar o primeiro fertilizante mineral à base de Sulfato de Cálcio, com alta concentração de cálcio e enxofre solúveis. Testado nas lavouras do Brasil, o SulfaCal obteve excelentes resultados, sendo na melhora da qualidade do solo ou ampliando a produtividade de diferentes culturas. Logo o SulfaCal ganhou fama entre os produtores rurais e a demanda pelo produto levou a empresa catarinense, localizada a 90 quilômetros de Florianópolis, à liderança no fornecimento de sulfato de cálcio para o Sul do Brasil.

E atenta à realidade do agronegócio, a SulGesso / MaxiSolo decidiu ampliar ainda mais suas operações e levar seus produtos para novos mercados, além das fronteiras brasileiras. A primeira aplicação comercial no exterior do fertilizante mineral granulado SulfaCal e do condicionador de solos SulfaSec (anteriormente chamado GessoFer) ocorreu em 250 hectares, em uma das sete fazendas de um dos maiores produtores de soja do Paraguai, que tem mais de 16 mil hectares plantados. O país, atualmente, é o quinto maior exportador do grão do planeta, com produção de 9,9 milhões de toneladas de soja na safra 2020/21, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

O Diretor de Negócios da SulGesso, Marcelo Augusto Gioscia Fortunato, conta que o primeiro contato com o país vizinho ocorreu em 2014, quando foram realizados ensaios no Centro de Experimentos Agropecuários (Cetapar) do Paraguai. "Os resultados foram muito bons, estamos entendendo a necessidade do solo de lá e, além disso, os nossos produtos também respondem muito bem ao plantio direto e aos períodos de veranico, que são uma realidade no Paraguai. É o nosso primeiro modelo de expansão para fora do Brasil e tem tudo para dar certo". Morador no país vizinho desde 1968, o representante comercial Edu Basegio explica que o sistema de plantio direto está consolidado e os produtores rurais são adeptos das novas tecnologias. "O Paraguai adotou a tecnologia, já são 35 anos de plantio direto consolidado, desde os anos 80. A produtividade é boa porque as terras não foram degradadas e, com um solo conservado e fortificado, automaticamente, você terá uma produção melhor", afirma o proprietário da Casba SRL, que fez a importação do fertilizante mineral. "São produtos com uma matéria-prima diferenciada, agregados a uma tecnologia e ainda granulados. Esse aporte extra de enxofre e cálcio, que serão levados a camadas mais profundas, atende muito a necessidade do solo daqui", detalha.

Os benefícios que o fertilizante mineral granulado oferece, tanto para o solo como para a planta, em diferentes regiões e culturas, são destacados pelo especialista em solos e diretor técnico da SulGesso, Eduardo Silva e Silva. "Tanto SulfaCal quanto SulfaSec são eficientes nos diferentes tipos de solo, resultam em maior profundidade da raiz, descompactação do solo, planta mais vigorosa e, consequentemente, maior produtividade. Podemos dizer que onde há lavouras, eles podem ser aplicados", resume. Basegio vê com otimismo a aceitação do SulfaCal em terras paraguaias, que se destacam, também, pelo cultivo de milho, trigo e arroz - culturas que exigem quantidade importante de cálcio e enxofre em profundidade. "O Paraguai tem 3,5 milhões de hectares produtivos e não vai demorar muito para chegar aos 5 milhões. Por outro lado, o produtor é pragmático, quer ver e tocar, é assim que funciona. Acredito que ele vai entender que a SulGesso / MaxiSolo é uma empresa séria, que criou e desenvolveu um produto profissional, super interessante e de extrema necessidade para o mercado. Vamos fazer um volume bem interessante para suprir essa necessidade por aqui", considera. A produção paraguaia de soja cresceu 42% na última década, segundo o USDA, em parte devido à ação de brasileiros que, como a família Basegio, foram plantar no país e são conhecidos como "brasiguaios".

Também com tradição na comercialização de finos de ferro, a SulGesso Indústria e Comércio SA acumula dez anos de experiência em exportações para o mercado siderúrgico da China, através da MDFértil, divisão de commodities da empresa. Este negócio a torna, também, uma importante movimentadora de carga no porto de Imbituba e, para o seu Diretor de Negócios, as primeiras exportações de produtos agrícolas são um estímulo à conquista de novos mercados. "Estamos abertos à expansão até mesmo no Brasil, já que o nosso forte, hoje, são os estados do Sul. No Mato Grosso do Sul, por exemplo, temos clientes que usam SulfaCal e estão colhendo excelentes resultados. A tendência é procurarmos novas frentes, em outras regiões do Brasil e do mundo", finaliza Fortunato.

 

Texto e imagem: Agrourbano

Veja também

Santa Catarina comemora 13 anos como área livre de febre aftosa sem vacinação28/05/20 Santa Catarina completa 13 anos do reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação. Em 25 de maio de 2007, o estado recebeu o certificado da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e desde então se mantém como referência em saúde animal e defesa agropecuária. Na última década, os catarinenses se......
Startup agro é selecionada em programa de aceleração internacional03/02 Adroit está entre as jovens e promissoras empresas escolhidas na InvestSP, iniciativa em conjunto com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo   A agtech Adroit está entre as selecionadas do SP......
Irrigação eficiente precisa ser sustentável e econômica16/02/21 Com projeto bem estruturado e a programação correta dos pivôs centrais ou laterais, fazendas podem ter tarifa energética reduzida em até 80% no preço do consumo por quilowatt-hora e ainda diminuição de......

Voltar para EDITORIAS