-
Postado em 20 de Dezembro de 2019 às 09h52

FecoAgro/RS confirma bom desempenho das cooperativas agropecuárias gaúchas

Cooperativas (49)

As cooperativas agropecuárias gaúchas devem fechar 2019 com um faturamento próximo a R$ 25 bilhões, dando continuidade ao crescimento registrado entre 2016 e 2018. Apesar do momento tímido que a economia brasileira vive, o setor cooperativo continuou avançando em patamares superiores a outros segmentos do país e do Estado, e a expectativa é de que esse crescimento continue. O plano safra tem contribuído na estratégia de investimentos com juros e condições mais atrativas. As sucessivas safras boas desde 2013/2014, assim como preços favoráveis de alguns produtos, também têm ajudado a melhorar os níveis de faturamento do cooperativismo a cada ano.

A Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS) aponta para este final de ano um cenário de estabilidade para o setor agrícola. A perspectiva é de uma safra normal com sustentabilidade de preços, mas ainda com a preocupação das constantes elevações dos custos de produção que o setor produtivo vem enfrentando nos últimos anos. Conforme o presidente da entidade, Paulo Pires, enquanto o PIB não der sinais de crescimento mais robusto, o setor cooperativo e seus associados buscam o aumento médio da produtividade no campo e nos empreendimentos que possam dar melhores respostas em resultados no final do exercício ou safra.

No Brasil, o crescimento da economia está sinalizando fechar 2019 com PIB de 1%, pouco acima do estimado de 0,9%. As projeções para 2020, por sua vez, indicam um crescimento de 2,24% no PIB. De acordo com Pires, o ideal para a retomada dos investimentos é um crescimento da ordem de 3% ao ano. Para o Rio Grande do Sul, deve se confirmar um aumento superior ao PIB nacional, podendo ficar acima de 2%. "O que se percebe é que o Estado ainda enfrenta problemas com as suas finanças e continua buscando saídas para a crise financeira. De outra parte, os setores econômicos estão realizando investimentos, como é o caso das cooperativas agropecuárias, aproveitando as oportunidades que se apresentam no mercado", afirma.

Para 2020, a FecoAgro/RS acredita que a produção agrícola será maior, caso as condições climáticas sejam favoráveis como nas últimas sete safras. Na opinião de Pires, o principal desafio para o setor cooperativo e para o agronegócio gaúcho e brasileiro, será acompanhar as inovações no campo, principalmente no meio digital. "O momento é de expectativa por dias melhores para o ano que vem com a retomada econômica, aumento na busca por investimentos e maior demanda no mercado internacional por alimentos, principalmente a proteína animal", observa.

As cooperativas agropecuárias acreditam na continuidade das reformas e sua implementação por serem importantes para a retomada do crescimento econômico do país e enfrentamento das deficiências em infraestrutura como estradas, portos, ferrovias, energia, logística, pesquisa, entre outras. A solução para estas questões melhora a competitividade. Segundo o dirigente, o setor cooperativo agropecuário trabalha com diversidade de produtos, o que exige grande demanda por financiamento, devido à baixa rentabilidade e o elevado risco enfrentado. "Na média, o setor trabalha com margens estreitas que ficam entre 2% e 4% sobre o movimento econômico. Isso exige gestão eficiente para atender mais de 50% da produção agropecuária que passa pelas cooperativas gaúchas".

O crescimento da atual safra de verão, comparando o volume de produção, foi de 2,4%, segundo dados do IBGE. A área plantada avançou em 1,81%, refletindo em maior ganho de produtividade. Por outro lado, o Valor Bruto de Produção (VBP) das principais culturas de verão foi de R$ 31,3 bilhões, significando um avanço de 4,1% em relação ao ciclo anterior. Já pelo lado das culturas de inverno, houve uma evolução na área plantada em 5,21%, em relação ao ano anterior, Os números de safra apontam para um volume de produção de 3,1 milhões de toneladas ante às 2,5 milhões de toneladas na temporada passada, o que representou um crescimento de 26% no volume de produção e de 31,9% no VBP.

Os custos da formação das lavouras, por sua vez, foram superiores a 5% em relação à safra passada. Alguns produtos com preços menores têm pressionado os resultados de culturas como o arroz e o trigo. Na pecuária, ao contrário, são observados crescimento para todos os segmentos de proteínas, dada a forte demanda da China por proteína animal, o que vem gerando um movimento de alta nos preços nos últimos meses. As cooperativas com plantas frigoríficas estão aproveitando esta oportunidade.

 

Texto: Rejane Costa/AgroEffective/Fecoagro

Foto: Cotricampo

Veja também

Aurora e Sebrae/SC reafirmam prioridade para o programa Encadeamento Produtivo23/09 O programa “Encadeamento Produtivo Cooperativa Aurora Alimentos: Suínos, Aves e Leite” continua sendo uma das grandes prioridades na área de formação e qualificação de empresários rurais. A renovação desse compromisso foi feita nesta semana, em visita do diretor financeiro e administrativo do Sebrae/SC, Anacleto Ângelo Ortigara, ao......
Aurora Alimentos lança filme com exemplos de famílias que superaram desafios na pandemia13/01Quatro histórias emocionantes contadas por empregados da cooperativa lembram as de muitas famílias brasileiras em 2020 Um ano extremamente desafiador está chegando ao fim. Mas situações adversas também servem para mostrar a capacidade das pessoas em se adaptar e cooperar. E exemplos não faltam. Para demonstrar um pouco do que esse ano......
Respeito e dedicação: Uma grande família chamada Aurora12/11/20 No ambiente dessa cooperativa de alimentos, que hoje é considerada uma das maiores e mais queridas do Brasil, é comum repetir que as pessoas são o principal ativo. Elas trazem vida à Aurora Alimentos todos os dias, seja produzindo......

Voltar para EDITORIAS