-
Postado em 29 de Abril de 2020 às 10h08

Indústrias lácteas buscam capital de giro para manter recolhimento de leite

Bovinocultura (47)

A pandemia causada pelo Coronavírus (Covid-19) reduziu em 40% a capacidade de venda das indústrias de leite e queijos. Segundo o presidente da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS), Delcio Giacomini, o setor vem recebendo o produto do campo, mas não consegue repassar ao consumidor a totalidade desta produção industrial.

Na avaliação do dirigente, os governos têm que ter uma posição muito clara e transparente em iniciativas de geração de capital de giro para poder bancar o leite produzido pelo produtor que as indústrias recebem. "Produzimos a totalidade, mas não vendemos 40%, é um montante bem significativo. O mercado não está bom e sem uma reação teremos que reduzir o preço para o produtor no campo. Quando não pagamos o que o produtor merece, pagamos todos juntos, produtor e indústria", observa.

A expectativa, conforme Giacomini, é com a regressão dos efeitos da pandemia para que haja uma retomada da normalidade. Entretanto, este efeito de normalização das vendas deve ser lento. "Não temos uma previsão a curto prazo de uma melhora. Com a regressão da pandemia, podemos ter uma retomada da comercialização e vender a totalidade da produção. Mas esse retorno tem um período ainda de expectativa", destaca.

O presidente da Apil/RS informa que já existem notícias no Brasil de indústrias que não tem recebido o leite por não ter capital de giro para poder pagar. "A indústria deverá ter uma retomada mais curta e é preciso fazer um trabalho para a manutenção de produção e dos postos de trabalho", conclui.

 

Com informações Assessoria de Comunicação Apil/RS

Veja também

SC busca erradicação da brucelose e tuberculose bovina19/07/20 Para fortalecer o agronegócio catarinense e agregar valor à pecuária de corte e de leite, o Estado busca atingir um novo nível de excelência na sanidade animal: a erradicação da brucelose e da tuberculose bovina, zoonoses que ameaçam a saúde pública e o setor. O status garantirá mais um reconhecimento internacional a Santa Catarina que......
Pecuária de leite espera crescer cerca de 2% em 202024/01/20 Após fechar 2018 praticamente estagnada (crescimento de 0,5%), a pecuária de leite não tem muitos motivos para se lamentar em 2019. Mesmo não sendo um ano de grande expansão do setor (o crescimento deve fechar entre 2% e......
Produtores de carne investem na criação de novilhos precoces10/09/19 Tradicionalmente o abate de bovinos na indústria brasileira de carnes se dá quando o animal tem mais de 36 meses. Atendendo ao mercado consumidor, agricultores estão investindo no sistema de produção de novilhos precoces, em......

Voltar para EDITORIAS