-
Postado em 29 de Abril de 2020 às 10h08

Indústrias lácteas buscam capital de giro para manter recolhimento de leite

Bovinocultura (48)

A pandemia causada pelo Coronavírus (Covid-19) reduziu em 40% a capacidade de venda das indústrias de leite e queijos. Segundo o presidente da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS), Delcio Giacomini, o setor vem recebendo o produto do campo, mas não consegue repassar ao consumidor a totalidade desta produção industrial.

Na avaliação do dirigente, os governos têm que ter uma posição muito clara e transparente em iniciativas de geração de capital de giro para poder bancar o leite produzido pelo produtor que as indústrias recebem. "Produzimos a totalidade, mas não vendemos 40%, é um montante bem significativo. O mercado não está bom e sem uma reação teremos que reduzir o preço para o produtor no campo. Quando não pagamos o que o produtor merece, pagamos todos juntos, produtor e indústria", observa.

A expectativa, conforme Giacomini, é com a regressão dos efeitos da pandemia para que haja uma retomada da normalidade. Entretanto, este efeito de normalização das vendas deve ser lento. "Não temos uma previsão a curto prazo de uma melhora. Com a regressão da pandemia, podemos ter uma retomada da comercialização e vender a totalidade da produção. Mas esse retorno tem um período ainda de expectativa", destaca.

O presidente da Apil/RS informa que já existem notícias no Brasil de indústrias que não tem recebido o leite por não ter capital de giro para poder pagar. "A indústria deverá ter uma retomada mais curta e é preciso fazer um trabalho para a manutenção de produção e dos postos de trabalho", conclui.

 

Com informações Assessoria de Comunicação Apil/RS

Veja também

Produtores de carne investem na criação de novilhos precoces10/09/19 Tradicionalmente o abate de bovinos na indústria brasileira de carnes se dá quando o animal tem mais de 36 meses. Atendendo ao mercado consumidor, agricultores estão investindo no sistema de produção de novilhos precoces, em que os animais são entregues ao frigorífico com até 30 meses. Com um mercado consumidor cada vez mais exigente, a carne de Santa......
Primeiro Bovicorte terá leilão com 500 animais23/04/19 Chapecó recebe neste sábado (27), das 8h às 20h, a primeira edição do Bovicorte do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) – Exposição de Animais, Máquinas, Equipamentos e......

Voltar para EDITORIAS