-
Postado em 03 de Junho de 2020 às 10h23

Monitorar a saúde das vacas em período de transição é fundamental para o sucesso da lactação

Bovinocultura (48)

Um dos desafios na pecuária de leite é o período de transição das vacas, pois é quando a maior parte dos problemas metabólicos e infecciosos ocorre. Apesar de uma queda normal do consumo de matéria seca pelo animal acontecer nos dias que antecedem o parto, uma redução acentuada desse consumo e consequentemente da ruminação, pode ser um indicativo de que algo não vai bem e faz com que o produtor acenda o sinal de alerta. Mas, como saber se a vaca está ingerindo alimento adequadamente e como este fator interfere diretamente na produção e saúde do rebanho? Este foi um dos assuntos abordados durante o workshop online promovido pela Allflex, líder mundial em identificação e monitoramento animal, que teve como tema central “O uso de recursos de inteligência animal e o impacto na saúde”.

Para o professor doutor do Departamento de Nutrição e Produção Animal (VNP) da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP), Francisco Palma Rennó, a condição da vaca no período de transição pode determinar o futuro da lactação e o monitoramento animal acaba se tornando um aliado, pois, com a tecnologia, é possível identificar como está o tempo de consumo de alimentos, a ruminação e, em consequência, o bem-estar e a saúde das vacas.

“Acredito que o consumo de matéria seca é a variável mais importante para monitorar a saúde das vacas. Isso porque sabemos que uma vaca com consumo alto de alimento no pré e pós-parto é um animal saudável. A tecnologia do monitoramento nos permite ter uma ideia sobre esses dados, de forma individual, a partir da ruminação. Se algo não vai bem e há queda de ruminação, o sistema ‘avisa’ com antecedência para que o produtor possa intervir o mais rápido possível, se necessário com tratamento precoce. É aliar o nosso conhecimento técnico com tecnologia, ganhando tempo nas operações. Assim, melhoramos o bem-estar animal, a resposta aos tratamentos e, em contrapartida, retornamos o animal à posição original: saudável”, explicou.

Segundo o pesquisador, o adequado é que uma vaca saudável passe cerca de 550-600 minutos/dia ruminando. Ele ainda fez uma análise da evolução dos potenciais de produção ao longo da história e de que forma explorar o potencial genético das vacas. Por meio de gráficos sinalizou que um bom tempo de consumo e ruminação no pré-parto não são fatores decisivos para um bom desempenho no pós-parto.

“O sonho de qualquer produtor é que haja um alto consumo no pré e no pós-parto. Mas, se isso não ocorrer, o sistema de monitoramento pode indicar com precisão a hora de intervir”, relatou.

Na prática, sistema de monitoramento otimiza a atividade leiteira

Com um rebanho da raça Girolando de 700 vacas em pasto irrigado e outros 80 animais em sistema de free stall, o médico-veterinário e produtor de leite, José Renato Chiari, falou sobre os desafios da gestão da propriedade leiteira, além de como a tecnologia para monitorar seu rebanho se tornou uma aliada no manejo diário.

Ele adotou a tecnologia na propriedade há oito anos e os primeiros colares de monitoramento foram para um grupo de 75 vacas com o intuito de melhorar os índices de reprodução. Hoje, a maior parte do rebanho é monitorada, além de ter o sistema completo integrado com a sala de ordenha. “Atualmente, conseguimos dados completos desde saúde e bem-estar dos animais, bem como a quantidade de leite produzido animal/dia. O sistema nos ajudou demais a termos melhor controle de gestão sobre o tempo de ordenha diário, quanto tempo leva para ordenhar determinado animal, além de termos informações precisas até mesmo sobre um escorregamento de teteira”, relatou.

O produtor salientou que, ao adotar o sistema de monitoramento, a ferramenta também permitiu que as equipes de trabalho fossem aprimoradas. “Toda vez que você muda alguma rotina no procedimento ou alguém da equipe, é possível monitorar, em tempo real, o que esta acontecendo na sala de ordenha. Com isso, melhoramos também os nossos treinamentos para os funcionários, direcionando a uma necessidade especifica”, afirmou.

O encontro online também teve a participação de Anna Luiza Belli, médica-veterinária formada pela Escola de Veterinária da UFMG e pós-graduada pela mesma instituição em zootecnia, na área de produção animal e coordenadora de território em Monitoramento da Allflex Brasil. Sob o tema “Um olhar proativo para a saúde das vacas”, a especialista mostrou como a internet das coisas está presente nas fazendas de leite e é uma ferramenta para otimizar a saúde das vacas com precisão.

“Um exemplo é que, muitas vezes, os produtores apenas olhando o rebanho, acreditam que os animais parecem estar bem, deitados, sem estresse térmico. No entanto, com o sistema de monitoramento é possível ter essa informação de forma precisa e interferir se necessário”, salientou.

O evento contou ainda com a participação do gerente de monitoramento da Allflex para América Latina, Luciano Lobo e a mediação de Marcelo Carvalho, fundador e CEO da AgriPoint.

O conteúdo completo do workshop pode ser acessado em: https://www.youtube.com/watch?v=pZ6UGL0FZrw&feature=emb_title

Sobre a Allflex Livestock Intelligence

A Allflex Livestock Intelligence é a líder mundial em design, desenvolvimento, fabricação e entrega de soluções para identificação, monitoramento e rastreabilidade de animais. Suas soluções focadas em dados são usadas por pecuaristas, empresas e países para gerenciar centenas de milhões de animais em todo o mundo. Ao colocar informações inteligentes para gerenciamento nas mãos dos produtores, as soluções Allflex os capacitam a agir em tempo hábil de forma a salvaguardar a saúde e o bem-estar de seus animais, ao mesmo tempo em que obtém ótimos resultados na produção para o fornecimento de alimentos saudáveis. A Allflex Livestock Intelligence faz parte do portfólio de produtos digitais para rebanhos da MSD Saúde Animal.

Por meio de seu compromisso com a Ciência Para Animais Mais Saudáveis®, a MSD Saúde Animal oferece a veterinários, agricultores, criadores, donos de pet e governos uma das mais amplas gamas de produtos farmacêuticos, vacinas e soluções e serviços de gerenciamento de saúde, além de um amplo conjunto de produtos e soluções em identificação conectada digitalmente, rastreabilidade e monitoramento. A MSD Saúde Animal dedica-se a preservar e melhorar a saúde, o bem-estar e o desempenho dos animais e das pessoas que cuidam deles. www.allflex.com.br

 

Com informações Assessoria de Imprensa Allflex Livestock Intelligence

Veja também

Produtores de carne investem na criação de novilhos precoces10/09/19 Tradicionalmente o abate de bovinos na indústria brasileira de carnes se dá quando o animal tem mais de 36 meses. Atendendo ao mercado consumidor, agricultores estão investindo no sistema de produção de novilhos precoces, em que os animais são entregues ao frigorífico com até 30 meses. Com um mercado consumidor cada vez mais exigente, a carne de Santa......
Ordenha robotizada reduz mão de obra na produção leiteira28/03/19 O processo de ordenha tem se modernizado nos últimos anos. O que antigamente era um trabalho totalmente manual vem se automatizado. Uma das novidades tecnológicas é a ordenha robótica que, atualmente, está presente em cerca......

Voltar para EDITORIAS