-
Postado em 05 de Março às 16h29

Para pecuarista do Brasil, baixa fertilidade do solo é maior desafio

Bovinocultura (44)

Pecuaristas e técnicos brasileiros elegeram, em 2019, a baixa fertilidade do solo como o maior problema para o desenvolvimento da atividade no Brasil. O levantamento online foi feito pela Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – por meio de sua equipe de pastagens, e será utilizado para direcionar melhor a carteira de projetos de pesquisa com foco nas demandas do setor produtivo. A sondagem ouviu 712 produtores e profissionais que atuam na área entre julho e agosto. Do total, 42% indicaram esse desafio.

Também foram cotados como principais obstáculos o elevado custo de implantação ou substituição do pasto, a dificuldade de manejo, a elevada redução da produção dos pastos na seca e os baixos níveis de fósforo no solo.

Na época em que foi aplicada, a sondagem foi amplamente divulgada entre o setor produtivo e as respostas vieram de todas as regiões do Brasil. O processamento dos questionários ainda está em andamento, mas a presidente do Porftólio de Pastagens (conjunto de projetos de pesquisa dessa área) da empresa, Patrícia Menezes Santos, já tem dados por biomas. Ela é pesquisadora na Embrapa Pecuária Sudeste, em São Carlos (SP).

Pragas e invasoras

A diversidade da percepção por regiões é visível e deve nortear as pesquisas da Embrapa sobre o tema. No bioma Amazônia, por exemplo, a baixa tolerância ou resistência às cigarrinhas e a elevada infestação das pastagens por invasoras são problemas relevantes, apontados por 34% dos respondentes. Nos outros biomas, as invasoras preocupam no máximo 20% dos consultados no Cerrado e 19% no Pampa.

Tecnologias

O levantamento também mostra as técnicas mais utilizadas nas pastagens formadas: pastejo rotacionado (62%), análise de solo (60%) e correção de solo com calcário (57%) foram as mais citadas. Já as técnicas mais usadas na formação de pastagens foram o preparo do solo (aração e gradagem, por exemplo), citado por 73% dos respondentes; análise de solo (66%) e correção de solo (63%).

Forrageiras

Com exceção do Pampa, foi alto o índice de entrevistados que afirmou não utilizar ou recomendar forrageiras temperadas. Já entre as forrageiras tropicais, as mais usadas ou indicadas foram o Capim Marandu (Braquiarão), com 47%, e o Capim Mombaça, com 39%. Pampa e Caatinga foram os biomas que menos utilizam essas forragens. O Capim Buffel apareceu como o mais comum na Caatinga (42%) e o Tifton 85 como o mais usado no Pampa (29%).

Quase 68% dos respondentes disseram não usar ou recomendar leguminosas. Na Amazônia, esse índice chega aos 81%. As mais citadas foram Estilosantes Campo Grande, Leucena e Guandu BRS Mandarim.

Na pergunta sobre o uso de “outras forrageiras”, a mais citada foi o milho (44%), seguido de pasto nativo (30%) e sorgo (26%). O principal motivo que pesa na escolha da forrageira pelo pecuarista é a recomendação técnica, segundo 41% dos entrevistados.

Soluções

De acordo com Patrícia, a Embrapa e outras instituições do SNPA (Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária) já desenvolveram tecnologias que ajudam a solucionar parte dos problemas apontados pelos técnicos e produtores. A baixa fertilidade do solo, por exemplo, pode ser encarada a partir dos mapas de solo, de áreas degradadas e de capacidade do uso do solo. “São estudos em escala mais regional que nos ajudam a dimensionar o problema, identificar as regiões mais críticas e traçar estratégias de ação”, afirmou.

Outra solução é o desenvolvimento e recomendação de cultivares para condições específicas. “A Embrapa disponibiliza para produtores cultivares adaptadas a condições de baixa fertilidade de solo, como aquele com baixo fósforo, presença de alumínio, entre outros”, falou Patrícia. Além disso, a empresa de pesquisa fornece ao produtor informações para que ele possa escolher o material mais adequado para sua condição específica. Essas informações estão em publicações gratuitas, disponíveis no site e no aplicativo Pasto Certo.

A Embrapa também gera conhecimento sobre a resposta das cultivares aos nutrientes, o que serve de base para as recomendações de correção e adubação.

Se enquadram ainda como soluções as recomendações sobre uso correto de corretivos e fertilizantes em pastagens e o desenvolvimento e recomendação de cultivares de leguminosas forrageiras, que fixam nitrogênio atmosférico no solo.

Apesar das tecnologias já disponíveis, os resultados do levantamento feito pela Embrapa apontam que o problema ainda está presente e demanda atenção especial. A pecuária de precisão, o desenvolvimento de cultivares forrageiras, de bioinsumos e novos fertilizantes para pastagens e a adaptação das recomendações técnicas de correção e adubação do solo à realidade dos sistemas de produção nas diferentes condições brasileiras podem contribuir para solucionar o problema e deverão ser foco da agenda de pesquisa da Embrapa sobre o tema Pastagens nos próximos anos.

 

Com informações Embrapa Pecuária Sudeste

Foto: Ana Maio

Veja também

Setor leiteiro pode sofrer menos que outros setores com a pandemia de Covid-1914/04 Quando a pecuária de leite no Brasil ensaiava uma ligeira recuperação, surgiu o novo coronavírus. As perspectivas para o setor, segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Glauco Carvalho, não são muito diferentes do resto da economia. "É difícil prever o que irá acontecer pois não sabemos nem quanto tempo deve durar esse contexto, mas a......
Tuberculose bovina: um problema de saúde pública17/01 Considerada um risco para a saúde pública, já que pode ser um problema tanto para animais quanto para humanos, a tuberculose bovina é uma doença de evolução crônica responsável por diversos......
Produtores de carne investem na criação de novilhos precoces10/09/19 Tradicionalmente o abate de bovinos na indústria brasileira de carnes se dá quando o animal tem mais de 36 meses. Atendendo ao mercado consumidor, agricultores estão investindo no sistema de produção de novilhos precoces, em......

Voltar para EDITORIAS