-
Postado em 01 de Julho de 2020 às 20h32

Santa Catarina: Estado de cooperação

Opinião (34)

O Dia Internacional do Cooperativismo é comemorado há 98 anos em todos os continentes no primeiro sábado do mês de julho. Por outro lado, no Brasil surgiu há 11 anos o Dia de Cooperar ou Dia C – um movimento nacional de estímulo às iniciativas voluntárias diferenciadas, contínuas e transformadoras realizadas pelas cooperativas durante todo o ano. O Dia C e o Dia Internacional do Cooperativismo são festejados na mesma data.

As conquistas e os avanços proporcionados pelo cooperativismo são realçados no transcurso do Dia Internacional do Cooperativismo e do Dia C. Essa data permite reconhecer que a cooperativa é a organização humana com a melhor cultura e a maior inclinação para processar, absorver e aprimorar em benefício social as mudanças e as transformações dos novos tempos.

As cooperativas são organizações humanas inspiradas em princípios da conjugação de esforços com objetivos econômicos. Os sete princípios cooperativos, linhas orientadoras através das quais as cooperativas levam os seus valores à prática, expressam com altissonância sua natureza: adesão voluntária e livre, gestão democrática, participação econômica dos membros, autonomia e independência, educação/formação/informação, intercooperação e interesse pela comunidade.

Na verdade, Santa Catarina tornou-se paradigma nacional de eficiência e de cooperativismo. É a unidade da Federação brasileira com maior taxa de adesão ao cooperativismo. A vocação para a inovação e o empreendedorismo são as qualidades mais proeminentes do cooperativismo catarinense, ao lado da observância dos princípios universais do cooperativismo. As cooperativas foram pioneiras no desbravamento das regiões, na instalação de centros de produção e na transferência de tecnologia.

O cooperativismo catarinense tem tido a habilidade necessária para enfrentar as crises e manter a sustentabilidade dos negócios e a viabilidade dos diversos ecossistemas, clusters e cadeias produtivas. As cooperativas catarinenses cresceram 13,71% em 2019 (12 vezes mais que a economia brasileira) e obtiveram receita operacional bruta de 40,7 bilhões de reais. As 254 cooperativas catarinenses reúnem mais de 2,7 milhões de associados. A profissionalização dos quadros diretivos das cooperativas mediante frequentes investimentos do Sescoop, o emprego de modernos recursos gerenciais e a adoção de uma visão empresarial foram decisivos para o êxito das cooperativas. É previsível que, de modo crescente, as sociedades modernas adotarão o cooperativismo como modelo de organização econômica e social.

Neste ano, as cooperativas foram desafiadas para uma nova realidade. A pandemia causada pelo novo coronavírus está provocando mudanças e transformações na forma de organização do trabalho, nas estruturas de produção econômica e no próprio tecido social em todos os países. Inevitável, portanto, que atinja as cooperativas brasileiras, essas sociedades humanas relativamente complexas que contribuem para dinamizar a economia e elevar o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) das comunidades.

Todos os ramos do cooperativismo estão inovando não apenas para sobreviver à crise da pandemia, mas para continuar oferecendo soluções e serviços de qualidade aos milhões de catarinenses cooperativistas. Todos os setores do cooperativismo reagiram aos desafios impostos pela pandemia, especialmente as cooperativas dos ramos agropecuário, crédito, consumo, infraestrutura, saúde e transporte, que detêm o maior número de associados. As ações reforçam o sétimo princípio do cooperativismo: interesse pela comunidade.

Cooperativas do ramo saúde, por exemplo, estão disponibilizando programas de teleassistência, estruturando ambulatório para triagem qualificada de casos de coronavírus e realizando acompanhamento médico de casos leves. Além disso, cancelaram eventos e anteciparam a vacinação da gripe e desenvolveram planos de ação emergencial para atendimentos remotos e domiciliares.

Entre as inovações que surgiram em cooperativas de praticamente todos os ramos estão plataformas para conectar os negócios locais. Na pandemia, enfim, as cooperativas estão reagindo e oferecendo uma contribuição que só o altruísmo e o trabalho podem sustentar.

 

Por Luiz Vicente Suzin, presidente da OCESC (Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina) e do SESCOOP/SC (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Santa Catarina)

Veja também

A carne não nasce na gôndola do supermercado, diz ACCS06/12/19 Uma reclamação recorrente entre os consumidores brasileiros nas últimas semanas é a alta no preço das carnes em várias regiões do país, que está perto dos 30%. Na era da conectividade, as pessoas reagem de forma raivosa ou utilizam o bom humor para manifestarem seu descontentamento. Vendo ou troco por terreno, estampa um meme com a foto de um......
As reformas e a agricultura28/11/19 É preciso elogiar a determinação do presidente Jair Bolsonaro em propor ao Congresso um conjunto de propostas de emendas constitucionais (PEC) que representam uma reforma do Estado, ajustam contas públicas nas três esferas de......
Infraestrutura, o grande gargalo26/09/19 O Brasil vive tempos difíceis. Desde 2014, o País enfrenta uma severa crise econômica que deixa suas sequelas no desemprego, no empobrecimento da população e no baixo nível de investimentos das empresas e do governo.......

Voltar para EDITORIAS