-
Postado em 23 de Março de 2020 às 19h55

ABRASS comunica medidas preventivas e impacto do COVID-19 no setor de produção de sementes de soja

Mercado (153)

Diante do atual cenário de pandemia do Covid-19 e considerando as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Governo Federal – Ministério da Saúde e demais autoridades sanitárias estaduais e municipais, a Associação Brasileira de Produtores de Sementes de Soja – ABRASS – informa que adotou medidas de prevenção e contágio ao Coronavírus (Covid-19).

Segundo o presidente da associação, Tiago Fonseca, os colaboradores foram liberados para prestar serviço via Teletrabalho (home office). Viagens foram suspensas e reuniões serão realizadas por videoconferências. Importantes eventos da entidade também tiveram suas datas reprogramadas.

“Em respeito aos nossos colaboradores, associados, amigos e parceiros, todas as atividades foram temporariamente remanejadas. Considerando o aumento de casos do coronavírus no Brasil, foi preciso agir de forma rápida. O momento pede precaução e prevenção ao bem-estar da sociedade”, afirmou o presidente.

A mesma ação foi tomada pelas empresas associadas. Proprietário da Íbera Sementes – em Ponta Grossa/PR, Tiago Fonseca, aderiu às medidas preventivas.

“Precisamos ter estes mesmo cuidados nas unidades produtoras de sementes. O agro não poderá parar as atividades por completo, mas é preciso cautela neste momento”, concluiu o empresário.

Para o gestor de produção, Luis Salomão - Sementes Goiás, em Rio Verde (GO) - a situação atual exige das empresas uma responsabilidade social e a busca de novas ferramentas como aliadas para realização dos negócios. Para ele o maior impacto será no setor comercial das sementes.

“Lançamos campanha na semana passada e estaríamos no pico da comercialização. Agora que precisamos evitar o contato pessoal estamos tentando reinventar o jeito de chegar ao cliente, usando o digital. Mas em muitos casos, por falta de internet, isso não será possível”, relatou Luis Salomão.

O gestor avalia que ainda é cedo para analisar o impacto do covid-19 no mercado de sementes. “Estamos com valores da soja em ótimos patamares e o produtor capitalizado está em um bom momento, consegue barganhar. A pandemia o ajuda porque diminuiu o número de clientes compradores neste momento difícil”, comentou Salomão.

Na visão do gestor esse mercado ficará pelo menos 2 meses tardio, caso os produtores de sementes tenham que aderir ao fechamento geral das empresas. “A produção na nossa região não foi afetada, estamos com praticamente todas as áreas colhidas. O coronavírus irá abalar o beneficiamento, que está mais lento e pode ser ainda mais afetado! Nós recebemos uma visita da prefeitura pedindo o impacto caso tenhamos que fechar as portas por 15 dias. Se isso for regra o cenário muda”, concluiu o gestor da empresa.

No Rio Grande do Sul a situação dos produtores de sementes de soja é mais preocupante. Segundo Efraim Fischmann, diretor e presidente da Sementes Estrela – em Porto Alegre (RS) – e diretor de comunicação e marketing da ABRASS, a colheita de sementes de soja chegou a 40%, está em plena safra e foi bastante afetada pela seca.

Para o diretor o quadro pode se agravar caso tenham que fechar as unidades e estradas do sul do país, normas rigorosas que podem acontecer diante da prevenção ao coronavírus. “Nós ainda estamos recebendo o produto, imagina o produtor que não poderá recolher soja das lavouras! Acredito que tais medidas seriam as últimas a serem realizadas, pois a soja é alimento. Esperamos conseguir terminar esta safra”, admitiu Efraim Fischmann.

Considerando todo o cenário nacional e tomando as devidas precauções, segue nova programação de eventos da ABRASS:

- Academia ABRASS 2020 –

Módulo 2 – 19 e 20 de junho.
Módulo 3 – 10 e 11 de julho.
Módulo 4 – 11 e 12 de setembro.
Módulo 5 – 16 e 17 de outubro.
Módulo 6 – 11 e 12 de dezembro. 

- ENSSOJA 2020 –

Será realizado de 28 a 30 de agosto, no Club Med Village Trancoso – Porto Seguro – Bahia. 

 

Com informações Assessoria de Comunicação ABRASS

Veja também

Brasil quer ganhar posições na produção mundial de cacau e chocolate11/07/19 A história da lavoura cacaueira no Brasil é permeada por momentos de altos e baixos. O país que já foi o maior exportador de cacau, hoje figura na sétima posição no mercado mundial, mas com perspectivas de aumentar sua participação, principalmente na venda de produtos com maior valor agregado, como chocolate fino. A Comissão Executiva do Plano......
Fumicultores perdem rentabilidade no sul do País02/06/20 Os produtores de tabaco de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul estão encerrando a safra 2019/2020 com números nada animadores para a rentabilidade do setor. A média de venda da maioria dos fumicultores está abaixo do......

Voltar para EDITORIAS