-
Postado em 27 de Fevereiro de 2020 às 08h40

CNA discute reforma tributária e os impactos para o agro

+ Agro (89)

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou, na quarta (19), do seminário “Tributação no Agro: Aspectos da Competitividade”, promovido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com a presença da ministra Tereza Cristina e de representantes do setor produtivo.

O vice-presidente da CNA, Mário Borba, representou a entidade na abertura do encontro e destacou a importância do tema. “Foi uma oportunidade para discutir e continuar defendendo o agro. Acreditamos no desempenho das nossas bancadas e confiamos no Congresso Nacional para que o agro não sofra com as mudanças e não seja prejudicado com a reforma tributária que está para acontecer”, afirmou.

O Legislativo debate no momento duas propostas de reforma tributária, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) n? 45, da Câmara, e a PEC nº 110, do Senado. “Esse debate é muito importante para que o agro possa chegar na reforma tributária, quiçá também na administrativa, com propostas que sejam importantes para nós,” destacou a ministra Tereza Cristina.

Para ela, o Brasil é um dos poucos países que está crescendo enquanto a economia mundial desaquece e isso está acontecendo graças à confiança internacional no País.

O coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon, fez uma apresentação sobre tributação e afirmou que as duas PECs que tratam do tema no Congresso trazem impactos para o setor agropecuário brasileiro.

“Por isso, a CNA vem se debruçando sobre o tema há muito tempo. Desde 2017 estamos trabalhando com agentes de diversos setores para criarmos princípios e diretrizes de uma reforma tributária que atenda as necessidades do setor, minimize a insegurança jurídica e traga estabilidade para o produtor rural”, disse.

Segundo Conchon, o cenário ideal para o setor seria uma redução na carga tributária, mas devido ao cenário fiscal do País, essa solução não é viável no momento.

“Estamos trabalhando para que não haja aumento na carga tributária setorial porque o produtor rural e o setor agropecuário brasileiro não estão dispostos a pagar mais tributos do que já vem pagando hoje. Também defendemos a racionalização e a simplificação do sistema, porque será isso que irá alavancar o setor agropecuário brasileiro nos próximos anos, especificamente nos aspectos tributários.”

 

Com informações Assessoria de Comunicação CNA

Veja também

Praga da cigarrinha: produtor está com dificuldades para obter indenização29/03FAESC pedirá para a CNA interferir junto ao Ministério da Agricultura para que os produtores recebam a indenização via PROAGRO ou seguro rural A praga da cigarrinha já provocou a perda de 50% das lavouras de milho das regiões mais produtivas de Santa Catarina, mas os produtores estão tendo dificuldade em acionar as coberturas securitárias para indenização dos prejuízos. Os Bancos financiadores não estão liberando nem o PROAGRO nem o seguro agrícola sob a alegação de que......
PIB do agronegócio cresce 16,81% de janeiro a outubro de 202023/02Período registrou também alta dos custos de produção O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro cresceu 2,78% em outubro passado em relação ao mesmo mês de 2019, e acumulou alta de 16,81% nos primeiros dez meses de 2020 na comparação com igual período......
Tecnologia espacial é imprescindível para a agricultura 4.019/06/20 Agricultura 4.0, internet das coisas levada ao campo, sensoriamento de cada planta ou cada animal, inclusive de peixes. Estes são alguns dos avanços que a aproximação com o setor aeroespacial está proporcionando ao......

Voltar para EDITORIAS