-
Postado em 02 de Maio de 2019 às 10h54

Estados iniciam em maio primeira etapa da vacinação contra a febre aftosa

Bovinocultura (47)

Nesta etapa, somente serão utilizadas as vacinas com 2ml, que são bivalentes, com os vírus do tipo A e O. 

A primeira etapa da campanha nacional de vacinação contra febre aftosa começa em maio em 24 estados e no Distrito Federal. A previsão é de imunização de 216,6 milhões de bovinos e 1,4 milhão de bubalinos. O estado de SC é o único que não vacina mais, pois é considerado livre da doença sem vacinação.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (Mapa) solicitou aos laboratórios a disponibilização de 218 milhões de doses de vacinas para serem utilizadas nesta etapa.

Os estados do Espírito Santo, Acre e Paraná são os únicos que vacinarão apenas animais jovens com até 24 meses de idade. Já o estado do Amapá fica fora dessa etapa, mas vacinará todo seu rebanho nos meses de setembro, outubro e novembro.

Nesta etapa, somente serão utilizadas as vacinas com 2ml, que são bivalentes, com os vírus do tipo A e O. A sua composição é diferente da utilizada nas campanhas passadas, especialmente para diminuir a formação de abcessos e, mantendo o mesmo nível de proteção dos animais.

“Os produtores devem estar conscientes do seu papel e fazer a vacinação corretamente, conservando a vacina na temperatura de 2 a 8 graus, aplicando, preferencialmente, debaixo do couro, na tábua do pescoço dos bois e búfalos”, alerta o diretor do Departamento de Saúde Animal e Insumos Pecuários do Ministério, Geraldo Marcos de Moraes.

No último sábado (27), em Uberaba (MG), a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) deu início à campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa 2019.

Maiores informações e recomendações podem ser obtidas no site do Mapa. Ou procure o órgão de saúde animal do seu estado, onde o criador deverá comprovar a vacinação.

Texto e foto: Ministério da Agricultura

Veja também

Santa Catarina amplia em 223,5% a produção de leite em 21 anos08/07/20 Santa Catarina se consolida como quarto maior produtor brasileiro de leite e registra crescimento recorde na produção. Um levantamento do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa) demonstrou que, de 1996 a 2017, o aumento na produção estadual superou até mesmo a taxa de crescimento mundial. "O leite é um dos destaques do agronegócio......
Bem-estar animal impacta na produtividade de carne e leite01/10/19 Situações de estresse para o animal de produção impactam diretamente no bem-estar e na produtividade, com redução na produção de carne e leite. Avaliar as práticas de manejo em uma fazenda......

Voltar para EDITORIAS