-
Postado em 18 de Abril de 2019 às 08h35

Ministros recebem representantes dos caminhoneiros e discutem medidas para ajudar categoria

Mercado (147)

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, receberam líderes dos movimentos de caminhoneiros autônomos na noite desta quarta-feira (17), no Ministério da Agricultura, para discutir medidas que podem ser tomadas pelo governo para melhorar as condições de trabalho da categoria e fazer com que o número de fretes seja ampliado. Os dois ministros apresentaram as alternativas que estão sendo discutidas para ajudar o setor e receberam um voto de confiança dos transportadores, que disseram não ter tido a mesma facilidade de negociação com governos anteriores.

Estavam presentes o presidente da Cooperativa dos Transportadores Autônomos do Brasil, Wallace Landim; Paulo Costa, David Rocha e Marcelo Aparecido, diretores da Acav, associação dos transportadores autônomos do Porto de Santos; Carlos Henrique, da Coopertrans, também do Porto de Santos; Rodney Larocca, da Coopertrac, cooperativa de Castro, no Paraná.; e Gustavo Ávila, representante de caminhoneiros autônomos. O grupo explicou aos ministros que a categoria só quer ter condições de trabalhar com dignidade. O aumento dos preços do óleo diesel foi um dos assuntos tratados, assim como os preços mínimos e a tabela de frete, as formas de organização dos autônomos e as medidas para aumentar a segurança da categoria nas rodovias.

Para isso, o governo já anunciou a inserção, nos contratos de concessão de rodovias, da exigência de construção de pontos de parada oficiais, para que os caminhoneiros tenham onde descansar com segurança, minimizando o risco de assaltos. O primeiro ponto de parada será construído na cidade de Catalão, em Goiás, à beira da BR-050, uma das estradas mais importantes na ligação de São Paulo e Paraná com os estados do Centro-Oeste. O ministro Tarcísio informou que os novos contratos de concessão terão de contemplar esses pontos de parada e que já está sendo discutida com o Tribunal de Contas da União (TCU) uma mudança nos contratos em vigor.

Ficou decidido que os dois ministros vão estudar medidas para serem propostas à categoria em novas reuniões, as primeiras logo depois da Semana Santa. Os representantes dos caminhoneiros saíram da reunião dizendo-se confiantes de que o governo Bolsonaro está disposto a ajudar a resolver os problemas estruturais da categoria, que já tem muitos anos e jamais foram enfrentados com profundidade.

Foto e texto Ministério da Agricultura e Pecuária 

Veja também

Segundo semestre de 2019 será marcado pela escassez de arroz09/07/19 Os estoques de passagem no Brasil serão os menores dos últimos 20 anos, considerando o final do ano agrícola, pelos números da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em função da quebra expressiva de produção no Brasil, que foi uma das maiores nos últimos dez anos. A avaliação é da Federação das......

Voltar para EDITORIAS