-
Postado em 22 de Abril de 2020 às 09h50

Pecuária de precisão contribui para desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis e eficientes

Artigos técnicos (38)

O uso de tecnologias de pecuária de precisão pode auxiliar no desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis e de uma pecuária mais competitiva. Essas ferramentas, como identificação animal automatizada, dispositivos eletrônicos de pesagem, colares com sensores, bebedouros e cochos automáticos, termografia infravermelha e estações meteorológicas automáticas, ampliam a capacidade de observação do rebanho.

Seu uso possibilita identificar e medir consumo de alimentos e água, comportamento alimentar, frequência cardiorrespiratória, temperatura corporal, atividade e posição dos animais. Os dados trazem indicadores produtivos, comportamentais e fisiológicos em benefício da saúde, produtividade e bem-estar dos animais.

A publicação “Potencial de uso das tecnologias de agricultura e pecuária de precisão e automação” traz conceitos, ferramentas e usos, mostrando seu potencial para inserir a agropecuária em um novo patamar tecnológico, tornando-a mais eficiente. O documento está disponível gratuitamente no site da Embrapa Pecuária Sudeste, localizada em São Carlos (SP).

De acordo com o pesquisador Alberto Bernardi, um dos autores, a utilização da pecuária de precisão pelo produtor permite aumentar a eficiência do uso de insumos, reduzir as perdas, elevar a qualidade dos produtos agropecuários, diminuir esforços e otimizar o trabalho, refletindo em melhores condições de vida no campo. Os reflexos também atingem o meio ambiente, com mitigação de gases de efeito estufa, principalmente pela utilização eficiente dos insumos agropecuários e redução do consumo de água e energia elétrica para irrigação.

Outro benefício da aplicação da tecnologia é manter ou, ainda, atrair os mais jovens para área rural, já que o uso desses equipamentos exige conhecimento e habilidades de informática, eletrônica, mecânica, robótica, comunicação, além do conhecimento tradicional de agronomia, veterinária e zootecnia. “Esses conhecimentos multidisciplinares são necessários para que os dados de monitoramento e controle, individual ou em grupo, dos vários sensores disponíveis, sejam efetivos e possam orientar as decisões de manejo mais adequadas”, conta Bernardi.

O pesquisador alerta que a pecuária de precisão não é a solução para todos os problemas. “O seu uso será mais eficiente, quanto mais eficiente for o sistema em que está sendo empregado. E um bom modelo agropecuário é aquele em que as boas práticas estão sendo utilizadas, e todos os conhecimentos agronômicos e zootécnicos aplicados da forma mais acertada”, destaca.

Muitos produtores acreditam que a tecnologia é só para grandes pecuaristas e é baseada em máquinas caras e sofisticadas. Alberto Bernardi explica que o mais importante é a gestão da propriedade, com coleta e interpretação dos dados e informações. Se o produtor e o técnico fazem a gestão da fazenda e dos animais, observam, coletam e organizam dados e informações, eles já utilizam a pecuária de precisão. “Por exemplo, se o produtor faz o controle leiteiro individualizado e, a partir desta informação, regula o fornecimento de concentrado para os animais, ele está fazendo um manejo mais preciso. É lógico que se os animais tiverem identificação eletrônica, o controle leiteiro for automático, houver um sistema de banco de dados e um sistema para interpretar estes dados de forma automática, a operação será muito mais rápida, com menor possibilidade de erros e dará mais autonomia para o produtor ou técnico”, esclarece.

No Brasil, ainda existem desafios em relação ao acesso à rede de comunicação e à disponibilidade de tecnologias, desde a geração de energia para manter a rede ativa até o alto custo de sensores e equipamentos. Mesmo assim, a pecuária de precisão está chegando às propriedades e estará cada vez mais presente. Há também uma tendência de redução de custo da tecnologia com o passar do tempo. Para Bernardi, é fundamental que essas ferramentas sejam vistas como uma forma de ajudar o produtor a ser mais eficiente, e não apenas como mais um custo no sistema de produção.

Revista Setor Agro & Negócios Pesquisa A Embrapa coordena uma rede de pesquisa em Agricultura e Pecuária de Precisão que vem atuando em várias frentes. A Embrapa Pecuária Sudeste, segundo Bernardi, fez grandes...

Pesquisa

A Embrapa coordena uma rede de pesquisa em Agricultura e Pecuária de Precisão que vem atuando em várias frentes.

A Embrapa Pecuária Sudeste, segundo Bernardi, fez grandes avanços na identificação eletrônica de animais, no monitoramento do consumo de alimentos e água, no estudo do comportamento animal, acompanhamento automático do clima. Outra linha importante trabalha com sensores e mapeamentos para melhorar o manejo das pastagens.

Também houve progresso na implantação de uma rede wi-fi alimentada por energia solar para captar e transmitir os sinais dos sensores dos animais no campo. Ainda estão previstos ordenha robotizada e novos sistemas de monitoramento de gado.

Todas essas tecnologias já são utilizadas por pesquisadores da Embrapa Pecuária Sudeste para dar respostas aos produtores rurais em relação a sistemas de produção pecuários mais eficientes, sustentáveis e competitivos.

Informações

Também estão disponíveis para consulta nota técnica sobre Aplicação da agricultura e pecuária de precisão na Embrapa Pecuária Sudeste e vídeos relacionados ao tema no canal da Embrapa no youtube - Pecuária de precisão e Conectividade no Campo.

 

Com informações Assessoria de Imprensa Embrapa Pecuária Sudeste

Veja também

Agricultura que cuida do solo também faz bem para o planeta17/02/20 Problemas ambientais estão na lista dos maiores desafios que a humanidade precisa enfrentar nesta e nas próximas décadas. Entre estes problemas, muito se fala das mudanças no clima. Estas se traduzem em uma tendência de aumento nas médias históricas de temperatura e precipitação, ampliando a ocorrência de eventos inesperados e extremos (como excesso......
Equipamento de ordenha23/11/18 Por Marcella Z. Troncarelli Médica Veterinária - DVM, PhD. Pós-doutora em Medicina Veterinária Preventiva pela FMVZ UNESP Botucatu-SP  Atuação: Docente do Curso de Medicina Veterinária no......
Mycoplasma hyopneumoniae em uma visão contemporânea22/11/19 Os antígenos de superfície ao redor da membrana lipídica do Mycoplasma se ligam nos receptores do trato respiratório do suíno, resultando na presença persistente deste microrganismo nas vias aéreas dos......

Voltar para EDITORIAS