-
Postado em 04 de Maio de 2020 às 09h06

SC amplia programa de controle e erradicação de brucelose e tuberculose nos rebanhos

Bovinocultura (48)

Referência internacional no cuidado com a saúde animal, Santa Catarina amplia os investimentos para controlar e erradicar a brucelose e tuberculose em seus rebanhos. Nesta terça-feira, 28, o Conselho de Desenvolvimento Rural (Cederural) autorizou a aplicação de R$ 283 mil para aumentar a cadeia de vigilância para localização de propriedades com suspeitas de focos das doenças, realizações de diagnósticos definitivos e abates sanitários dos animais contaminados, reduzindo os riscos à saúde pública e elevando o status sanitário da pecuária catarinense.

"Controlar e erradicar a brucelose e a tuberculose em Santa Catarina é nosso próximo desafio. Além de reduzir os prejuízos do produtor rural com as perdas que ocorrem devido às doenças no rebanho, o fato de ter uma propriedade certificada como livre de brucelose e tuberculose irá valorizar seu plantel. Se Santa Catarina quer exportar lácteos, precisamos ter qualidade e sanidade", destaca a presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Luciane Surdi.

A erradicação de brucelose e tuberculose pode ser mais um diferencial competitivo do agronegócio catarinense. Segundo a presidente Luciane Surdi, a expectativa é de conquista de novos mercados, principalmente os mais exigentes. "A medida possibilita a exportação de produtos lácteos com qualidade, melhorando o preço pago e a qualidade de vida do produtor rural", destaca.

Hoje, Santa Catarina tem uma das menores taxas de prevalência de brucelose e tuberculose do Brasil. O último levantamento feito pela Cidasc constatou que menos de 1% do rebanho catarinense tem brucelose ou tuberculose. Este índice é tão baixo que Santa Catarina é o estado brasileiro mais próximo de obter a classificação de área de risco insignificante para essas doenças.

Cuidados com os rebanhos

Todos os anos são realizados aproximadamente 500 mil exames para analisar a presença das zoonoses no rebanho catarinense. O Estado conta ainda com 768 propriedades certificadas como livres de brucelose e de tuberculose.

O rebanho catarinense pode ser vacinado com amostra RB51, seguindo as normas do Regulamento Técnico do Programa de Erradicação da Brucelose Bovina e Bubalina no Estado de Santa Catarina, atualizado em julho de 2017 pela Portaria SAR n°19/2017.

Já o uso da vacinação em massa, com a B19, é recomendado apenas para estados que possuem altos índices da doença, portanto é proibida em Santa Catarina para evitar custos desnecessários aos produtores e interferência nos testes de diagnóstico

Indenizações aos produtores

Para manter a sanidade dos rebanhos catarinenses, os animais acometidos de brucelose ou tuberculose são abatidos sanitariamente e os proprietários indenizados pela Secretaria da Agricultura, com apoio do Fundo Estadual de Sanidade Animal (Fundesa). Com a compensação, os produtores podem adquirir animais sadios para continuarem a produção de carne e de leite.

 

Com informações Assessoria de Imprensa Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de SC

Veja também

Setor leiteiro pode sofrer menos que outros setores com a pandemia de Covid-1914/04/20 Quando a pecuária de leite no Brasil ensaiava uma ligeira recuperação, surgiu o novo coronavírus. As perspectivas para o setor, segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Glauco Carvalho, não são muito diferentes do resto da economia. "É difícil prever o que irá acontecer pois não sabemos nem quanto tempo deve durar esse contexto, mas a......
Bem-estar animal impacta na produtividade de carne e leite01/10/19 Situações de estresse para o animal de produção impactam diretamente no bem-estar e na produtividade, com redução na produção de carne e leite. Avaliar as práticas de manejo em uma fazenda......

Voltar para EDITORIAS