-
Postado em 29 de Julho de 2020 às 20h03

Suinocultura brasileira avança e conquista consumidor

Opinião (34)

Pela primeira vez na história, as exportações brasileiras de carne suína podem chegar a um milhão de toneladas. A projeção é da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Se a estimativa se confirmar, o volume será 33% maior em comparação ao do ano passado.

Este avanço na suinocultura do país, entretanto, não é resultado do acaso, mas sim de um aperfeiçoamento ao longo de toda a cadeia produtiva e dos cuidados cada vez mais rígidos com a biossegurança no país, permitindo assim que atendamos os mais exigentes mercados internacionais que vêm demandando a importação desta proteína.

Nos últimos anos, vimos o setor caminhar para o movimento da integração e da cooperação, o que permitiu que os produtores, por meio da assistência técnica - de agroindústrias, empresas, entidades e organizações do segmento - reforçassem seus padrões técnicos, de segurança e de proteção sanitária de seus rebanhos. Cuidados que, por exemplo, fazem com que a suinocultura brasileira siga a tendência global de redução no uso de antibióticos.

Estes aspectos atendem a um consumidor consciente e exigente em relação aos alimentos que consome, e que se tornou ainda mais atento a saudabilidade de suas refeições durante o cenário de pandemia que estamos vivenciando. Além disso, o contexto também abre espaço para novas tecnologias, de origem natural, que aliem a melhoria dos resultados zootécnicos ao bem-estar animal, à saúde humana e respeito ao meio ambiente.

Revista Setor Agro & Negócios Entre as ferramentas, destaco a nutrigenômica, linha de pesquisa que permite o desenvolvimento de produtos tendo em vista o desempenho do animal; o uso de minerais na forma orgânica, que facilita a...

Entre as ferramentas, destaco a nutrigenômica, linha de pesquisa que permite o desenvolvimento de produtos tendo em vista o desempenho do animal; o uso de minerais na forma orgânica, que facilita a absorção destes nutrientes; utilização de complexos de enzimas, que oferece um balanceamento melhor da ração conforme o custo das commodities; e o gerenciamento de micotoxinas, que são substâncias tóxicas que podem comprometer a criação. Com isso, é possível melhorar a conversão alimentar, impactando em ganho de peso e desempenho do suíno.

Além destes cuidados com o manejo, que permitem um produto com teor de gordura muito menor, por exemplo, o setor tem investido em outras formas de conquistar o mercado. As agroindústrias têm apostado em novas opções de cortes suínos (pernil, lombo, costela, picanha, filé mignon, entre outros), e também nas carnes temperadas, variedades que antes eram exclusivas da proteína bovina.

Todos esses avanços, entretanto, precisam estar claros para a sociedade. Por isso, entendo ser essencial que a suinocultura brasileira siga desenvolvendo campanhas informativas e de esclarecimento para a população, trazendo à tona todos os diferenciais que a proteína oferece para o consumidor. Atualmente, o consumo per capita de carne suína, no Brasil, está em 15,3 quilos no ano, de acordo com a ABPA. Mesmo sendo a proteína mais consumida no mundo, ainda há espaço para crescer.

A carne suína produzida hoje é totalmente diferente daquela feita há 20 anos, a sociedade está percebendo as melhorias e ampliando o consumo, mas para garantirmos essa tendência, também depende de nós, como indústria, reforçarmos essa evolução para com todo o mercado e consumidor final!


Por Glaiton Martins, médico veterinário e gerente de vendas para suinocultura da Alltech

Veja também

As reformas e a agricultura28/11/19 É preciso elogiar a determinação do presidente Jair Bolsonaro em propor ao Congresso um conjunto de propostas de emendas constitucionais (PEC) que representam uma reforma do Estado, ajustam contas públicas nas três esferas de governo e criam um novo marco institucional quase duas décadas depois da aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal. O Estado......
Mais frango, por favor!23/11/18 A produção de carne de frango no Paraná desempenha importante papel na oferta de saúde, nutrição e sabor nos quatro cantos do País – e até do mundo - por um preço competitivo. Ou seja, a......
A carne não nasce na gôndola do supermercado, diz ACCS06/12/19 Uma reclamação recorrente entre os consumidores brasileiros nas últimas semanas é a alta no preço das carnes em várias regiões do país, que está perto dos 30%. Na era da conectividade, as pessoas......

Voltar para EDITORIAS